[Clube do livro] Jogador N1 – Jogador Número 1 - Ernest Cline




| Autor: Ernest Cline | Selo: Leya | Páginas: 464 | ISBN: 9788580442687 | Skoob |Comprar|

Antes de começar a falar sobre nossa reunião gostaria de explicar como funciona um clube do Livro.

Um clube do livro é um clube social onde pessoas normalmente se encontram para discutir sobre um livro que acabaram de ler, expressando suas opiniões, críticas, etc. Comumente, membros de clubes do livro encontram-se em suas casas, em livrarias, pubs, cafés, restaurantes, etc. Há também clubes do livro online. Wikipedia

No nosso caso utilizamos uma ferramenta muito comum atualmente, o Whatsapp. Formamos um clube e adicionamos os interessados que vieram de outras redes sociais como facebook e Instagram. Batizamos de Clube do livro L&R (Lendo e Relendo) e na reunião de terça-feira (29/07) éramos 19 membros.
Na primeira reunião escolhemos alguns livros de diversos gêneros e abrimos uma votação. O livro mais votado e o primeiro a ser trabalhado foi o “Jogador N1” do Ernest Cline. O prazo foi de uma semana para a metade da leitura. Tínhamos que ler e analisar para que o debate tivesse início na reunião seguinte.
Eu concluí a leitura antes do prazo, assim como outros também conseguiram. Mas os que não tinham o livro, ou não tiveram muito tempo livre, ainda continuaram lendo. Fato que não prejudicou a discussão.

Sinopse do Jogador N1 – Ernest Cline
Cinco estranhos e uma coisa em comum: a caça ao tesouro. Achar as pistas nesta guerra definirá o destino da humanidade. Em um futuro não muito distante, as pessoas abriram mão da vida real para viver em uma plataforma chamada Oasis. Neste mundo distópico, pistas são deixadas pelo criador do programa e quem achá-las herdará toda a sua fortuna. Como a maior parte da humanidade, o jovem Wade Watts escapa de sua miséria em Oasis. Mas ter achado a primeira pista para o tesouro deixou sua vida bastante complicada. De repente, parece que o mundo inteiro acompanha seus passos, e outros competidores se juntam à caçada. Só ele sabe onde encontrar as outras pistas: filmes, séries e músicas de uma época que o mundo era um bom lugar para viver. Para Wade, o que resta é vencer – pois esta é a única chance de sobrevivência. SKOOB

Começamos discutindo se o livro em questão seria ou não uma Distopia, afinal o enredo não apresentava um governo autoritário, e leis absurdas que limitavam a liberdade do cidadão como observado em outras distopias tão famosas. 
Seria então a OASIS essa forma de controle em um mundo tomado pelo caos e pela escassez de recursos?

Para mim aquilo é como uma droga utilizada e incentivada por uma sociedade que não tem nenhuma intenção de ter indivíduos questionadores. LUÍZA

E o caos? Vocês acreditam mesmo nesse futuro pessimista que cantam os livros de ficção científica? O fim dos recursos como uma praga mundial?

Eu vejo um mundo destruído e vejo o mundo da destruição sendo a salvação. RICARDO
Acho que os seres humanos vão regredir, e depois se renovar como um ciclo. Luta por água, é algo que vai acontecer. GABRIELA
Já vivemos esse caos (...) depende do ponto de vista de quem sofre esse caos. Tenho certeza que no imaginário das crianças da Faixa de Gaza o caos é pior que os dos livros. Tá feio a coisa por lá. KARINE

Com relação às considerações sobre o livro. O que acharam e se leriam novamente.

Eu gostei muito. Apesar de certas partes eu achar que precisavam ser mais desenvolvidas. (...) Se lerem procurando pela história realmente vai deixar a desejar... RICARDO

Outra parte bem legal da discussão foi o momento que passamos a falar das inúmeras referências sobre os anos 80. Esse livro é um guia para quem viveu nessa época tão geek. Jogos, Filmes, músicas, e muitos artistas interessantes e característicos da época. A Nostalgia foi geral. Amei esse momento. “Relembrar é viver”, como diziam antigamente.
Ainda tínhamos muito que falar do tema, mas deixamos para uma próxima reunião, onde os outros membros terão oportunidade de expor seus pontos de vista.
Foi uma experiência impar, que desejo repetir toda semana. Em breve teremos nova meta de leitura e voltarei aqui para mostrar o que rolou por lá.
Um agradecimento todo especial para o meu Clube lindo, que me permitiu expor suas opiniões aqui para vocês.

Beijos Literários
Jádia Santos



[Resenha] Gears Of War - Fim da Coalizão - Karen Traviss




| Autor: Karen Traviss | Editora: Única | Páginas: 448 | ISBN: 9788567028286   Skoob Comprar |


A batalha que vai definir o futuro da Coalizão! Com Sera dizimada pela Horda Locust e sua população quase extinta, ela agora se divide em três facções: os Abandonados, aqueles que lutam para viver em pequenos grupos e não atendem a nenhum governo; a COG (Coalizão Ordenada de Governos), que um dia fora uma grande organização mas que hoje foi reduzida a um punhado de militares e civis; e os Gorasnis, os últimos sobreviventes da URI (União das Repúblicas Independentes), antigos inimigos da COG. Quinze anos depois do colapso mundial, COG e URI buscam refúgio na pequena e remota ilha de Vectes. Entretanto, depois da fuga e de uma breve paz entre as duas nações, Marcus Fenix e seus companheiros devem lutar contra outra ameaça, os Lambent, enquanto tentam descobrir as origens das mutações que assolam Vectes e Sera. Ao decidir entre duas missões suicidas, os Gears e a URI ainda devem enfrentar o presidente Richard Prescott, que guarda um último segredo sobre os Locust e os Lambent. Um segredo que pode definir o futuro da humanidade. Se houver um sobrevivente.


Okay, é difícil começar uma resenha de um livro que foi baseado em um jogo. Venho acompanhando essa nova – e porque não dizer – onda que tem surgido entre os autores estrangeiros. Afinal, existe uma necessidade de entender a história de um determinado jogo. 

Antes de continuar, queria contar uma péssima experiência que tive com os livros inspirados na série de jogos Resident Evil. Amo os jogos de coração, a série de filmes com mais amor ainda; mas os livros não me convenceram. Não conseguiram passar a realidade que eu conseguia enxergar nos jogos/filmes. Felizmente, não foi o que aconteceu com Fim da Coalizão. E nesta resenha, você entenderá o porquê. 

Gears Of War é uma franquia de jogos que já vendeu cerca de 20 milhões de cópias no mundo todo. E já posso dizer que me interessei nos jogos depois de ter lido o livro – o que você pode pensar ser estranho, afinal, não é o contrário que acontece? 

Karen Traviss tem uma escrita perfeita e uma narrativa até interessante, uma vez que observamos os elementos narrativos já usados em outros livros. Não é uma história que surpreenderá o leitor, mas mostra um lado que não seria tão explorado no jogo. 


“A fofoca se espalha rapidamente em uma comunidade como a base naval. Era aquela tal estranha criatura conhecida como um cochicho, que em um bom dia podia ultrapassar o alcance dos comunicadores de rádio mais depressa do que uma doninha lambuzada na manteiga.”


Algo que me chamou muito a atenção foi a “parada” das facções. Sim, meus caros, facções não são apenas um privilégio das distopias, okay? A população foi quase extinta e agora se divide em três facções: os Abandonados, a COG e os Gorasnis. Agora vamos entender um pouquinho sobre cada facção.

Os Abandonados (como o próprio nome diz), são os que vivem sozinhos, abandonados e não ligam para nenhum governo. O que achei legal, já que – até nos livros de distopia – os grupos sobreviventes sempre são interligados a um governo. 

A COG (Coalizão Ordenada de Governos) – tá aí um grupo que eu gostaria de fazer parte. Esse grupo dá nome ao subtítulo do livro, o que favorece-os como meus favoritos nesta história. Porém, eles foram (no passado) uma grande organização, e hoje restam apenas alguns militares e civis. 

Os Gorasnis foram antigos rivais da COG. Mas agora digamos que existe uma paz entre os dois grupos (afinal, todos querem sobreviver). Ambos buscam refúgio na ilha Vectes, um lugar doidão cheio de criaturas macabras e estranhas. Oh, são meio que mutantes. No livro são bem descritas essas criaturas, embora deixe uma abertura para que o leitor imagine cada uma delas. 


“— Você ia atirar em mim, seu bastardo! – ele gritou — Você ia, né?”


Lambent é a nova ameaça e eles precisam unir suas forças cada vez mais, para que consigam sobreviver. Não é um livro que irá mudar sua vida, mas certamente trará um pouco de tensão ao mesmo tempo que você leitor torcerá por alguma dessas três facções. A Editora Única fez um ótimo trabalho com a diagramação e a adaptação da capa nacional. Um excelente trabalho, vale a pena conferir!

[Lançamento] Outlander - A Viajante do Tempo



Lançamento da Editora Saída de Emergência Brasil!!


Outlander - A Viajante do Tempo


Conteúdo especial sobre o livro aqui 



Coleção: BANG!
Data 1ª Edição: 06/08/2014
Nº de Edição:
ISBN: 978-85-67296-22-7
Nº de Páginas: 800
Dimensões: [160 x 230 x 41]mm
Encadernação: Brochura – Capa Mole

Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a enfermeira Claire Randall volta para os braços do marido, com quem desfruta uma segunda lua de mel em Inverness, nas Ilhas Britânicas. Durante a viagem, ela é atraída para um antigo círculo de pedras, no qual testemunha rituais misteriosos. Dias depois, quando resolve retornar ao local, algo inexplicável acontece: de repente se vê no ano de 1743, numa Escócia violenta e dominada por clãs guerreiros.
Tão logo percebe que foi arrastada para o passado por forças que não compreende, Claire precisa enfrentar intrigas e perigos que podem ameaçar a sua vida e partir o seu coração. Ao conhecer Jamie, um jovem guerreiro escocês, sente-se cada vez mais dividida entre a fidelidade ao marido e o desejo. Será ela capaz de resistir a uma paixão arrebatadora e regressar ao presente?




[Lançamento] Editora Intrínseca em Agosto

Mosaico


Pó de lua, de Clarice Freire

Em 2011, discretamente, a publicitária Clarice Freire criou no Facebook uma página para reunir seus escritos e desenhos.  Batizou-a como Pó de Lua,  sua receita infalível “para diminuir a gravidade das coisas”. Desde então, ela vem conquistando uma legião de fãs fiéis e engajados, que se encantaram com a delicadeza de seus pensamentos, seu humor sutil e o traço despretensioso, que combina desenhos e até fragmentos de palavras. Da internet para as páginas de um livro, foi mais um salto para a jovem autora recifense, de apenas 26 anos. Ela surpreende seus admiradores com uma proposta diferente. Pó de Lua, o livro, tem o formato de um dos cadernos moleskine em que Clarice exercita sua criatividade. Inspirada pelas quatro fases da lua – minguante, nova, crescente e cheia –, ela trata em frases concisas e certeiras de sentimentos como a saudade, o medo, a paixão e a alegria, sempre em sua caligrafia característica, repleta de belas ilustrações.


Flash Boys — revolta em Wall Street, de Michael Lewis

Descontrolado e invisível, o mercado financeiro atual, concebido para beneficiar apenas algumas pessoas, segue uma única lei: a velocidade. Tudo pode mudar num piscar de olhos, e há corretores de alta frequência que venderiam a própria avó em troca de um microssegundo de vantagem. Em Flash Boys, Michael Lewis volta a Wall Street para revelar como um punhado de indivíduos excêntricos e brilhantes está determinado a expor a verdade ao público. Esta é a história surpreendente de como um pequeno grupo decidiu enfrentar todo o sistema e declarar guerra contra algumas das pessoas mais ricas e poderosas do mundo.

Circuito de mentiras, de Juliet Macur

Juliet Macur, premiada repórter do New York Times, acompanhou durante quase dez anos a incrível trajetória de Lance Armstrong, o ciclista que em 2006 atingiu o recorde de maior vencedor do árduo Tour de France ao conquistar sete títulos consecutivos, mas transformou-se num dos maiores párias da história esportiva devido a denúncias de que ele sempre teria recorrido ao doping para competir. Macur foi uma das poucas pessoas a ter acesso ao ciclista: obteve a versão do próprio Armstrong e reuniu relatos de centenas de testemunhas para revelar a dimensão do escândalo que transformou o ciclismo mundial. Em Circuito de mentiras, ela revela em detalhes o sistema elaborado por Armstrong e imposto aos atletas de sua equipe. O resultado é uma trama rica e abrangente sobre a ascensão de um homem para a fama e sua surpreendente queda.

 Destrua este diário, de Keri Smith ― duas novas capas

 Um diário costuma servir para anotar ideias, memórias ou registros do cotidiano. Keri Smith, ilustradora e artista canadense, inventou um tipo diferente de diário, que exige do usuário uma interação mais lúdica e inusitada. Com a proposta de estimular a criatividade e questionar convenções sobre a forma como lidamos com os objetos, Destrua este diário nos convida a rasgar páginas, rabiscar, pintar fora das linhas, manchar e até mesmo levar o livro para o banho. Com o sucesso da primeira edição brasileira, Destrua este diário volta com duas novas capas, aumentando ainda mais as possibilidades destrutivas para o leitor.

Termine este livro, de Keri Smith

Um livro de conteúdo profundamente misterioso foi abandonado em um parque. As páginas, soltas, foram embaralhadas pelo vento, e a capa, quase ilegível, exibia as palavras Manual de instruções. Keri Smith, autora de Destrua este diário, oferece ao leitor um novo desafio — decifrar o que há por trás dessa história e completar o conteúdo desconhecido da obra. E é claro que Smith não deixaria o leitor desamparado: a fim de realizar a missão, ele passará por um treinamento intensivo nas artes da espionagem e aprenderá a desvendar códigos secretos, reconhecer padrões ocultos no ambiente e usar a criatividade para dar a objetos comuns utilidades extraordinárias.

A busca, de Daniel Yergin

Daniel Yergin demonstra que a questão energética é o motor de transformações políticas e econômicas globais da atualidade. A busca é um relato arrebatador sobre um problema que afeta o mundo contemporâneo: onde encontrar a energia de que tanto necessitamos? Neste livro, o autor aborda as formas de energia tradicionais sobre as quais nossa civilização se ergueu e as novas fontes que prometem substituí-las. Das ruas engarrafadas de Pequim ao litoral do mar Cáspio, dos conflitos no Oriente Médio até o Capitólio e o Vale do Silício, Yergin revela as decisões que estão moldando o futuro.

Uma constelação de fenômenos vitais, de Anthony Marra

Em uma vila coberta de neve na Chechênia, Havaa, de 8 anos, observa seu pai ser levado no meio da noite por soldados russos que o acusam de colaborar com rebeldes chechenos. Do outro lado da rua, Akhmed, um amigo da família, vê a cena e teme pelo pior quando os soldados ateiam fogo à casa da menina. Ao encontrar Havaa escondida na floresta com uma estranha mala azul, Akhmed decide buscar refúgio num hospital abandonado onde a única médica remanescente, Sonja, trata os feridos — uma decisão que irá mudar a vida dos três para sempre. Ao retratar o poder transcendente do amor em meio à guerra, Anthony Marra constrói, em Uma constelação de fenômenos vitais, um romance profundo e marcante sobre amizade, perda e os laços inesperados que as pessoas são capazes de construir.

A 25ª hora, de C. Virgil Gheorghiu

Escrito durante o cativeiro do autor — preso pelas tropas americanas no fim da Segunda Guerra Mundial —, A 25ª hora conta a história de Iohann Moritz, um camponês romeno que é equivocadamente denunciado como judeu por um gendarme que lhe cobiça a esposa. Moritz cai nas garras dos nazistas, iniciando um périplo por diversos campos de concentração da Europa. Ao fugir com outros detentos para a Hungria, país “onde a vida é menos dura para os judeus”, acaba detido como espião romeno e é torturado. Deportado para a Alemanha, na condição de “trabalhador húngaro voluntário”, é examinado por um médico nazista que o considera um espécime excepcional da linhagem ariana. Ambientado num cenário irrespirável, A 25 a hora revela-se uma condenação não só do nazismo, como de todo tipo de totalitarismo. Um romance emocionante, com reflexões atuais e necessárias.

Os legados do Número Cinco, de Pittacus Lore

Nesse lançamento exclusivo em e-book, a origem do Número Cinco é revelada. Antes de se aliar aos maiores inimigos dos lorienos, antes de se infiltrar na Garde, antes de cometer a traição final, Cinco estava escondido. Quando seu Cêpan morre, o garoto é forçado a lutar sozinho pela sobrevivência. Ansioso para finalmente experimentar a liberdade e conhecer o mundo, Cinco se envolve com o tipo errado de pessoas — os mogadorianos.



[Resenha] Estranha Perfeição – Perfeição (Livro 1) - Abbi Glines


| Autor: Abbi Glines | Editora: Arqueiro | Páginas: 208 | ISBN: 9788580412819 Skoob Comprar |

Della Sloane não é uma garota comum. Ansiando se libertar do seu passado sombrio e traumático, ela planeja uma longa viagem de carro em busca de autoconhecimento e dos prazeres da vida real. Seu plano, no entanto, logo encontra um obstáculo: o automóvel fica sem gasolina em Rosemary, na Flórida, uma cidadezinha praiana no meio do nada. Neste cenário, ela conhece o jovem Woods Kerrington, muito disposto a ajudar uma menina bonita em apuros. O que ela não sabe é que Woods é o herdeiro do country club Kerrington e está de casamento marcado com Angelina Greystone, uma união arranjada que culminará na fusão de suas empresas, garantindo o futuro profissional do rapaz. Uma noite despretensiosa parece a solução perfeita para Della e Woods fugirem por um tempo de tanta pressão. Do passado que ela gostaria de esquecer. Do futuro de que ele tantas vezes tentou escapar. Mas eles não poderiam prever que a atração os levaria a algo mais quando os seus caminhos se reencontrassem. Agora precisam aceitar suas estranhezas para descobrirem a perfeição. Se você é fã da série Sem Limites, vai adorar este delicioso romance ambientado no mesmo universo sedutor criado por Abbi Glines - Skoob
Della Sloane é uma linda mulher que, incentivada por sua melhor amiga, sai em uma viagem sem destino em busca de se libertar de um passado traumático. Hum... Isso não soa um pouco como o início de Entre o Agora e o Nunca? Logo na primeira dificuldade, ela precisa de ajuda para abastecer o carro próximo a cidade de Rosemary, então se depara com o Woods e tem um breve relacionamento com ele, para não dizer affair.
Fiquei vendo e ouvindo com atenção enquanto Woods explicava cada passo do processo de abastecer o carro. Foi difícil não me distrair por seu porte imponente. Fui tomada por uma tristeza quando ele, por fim, devolveu a mangueira à bomba de gasolina e arrancou o recibo da máquina. Não queria que aquele momento terminasse, mas precisava voltar para minha viagem.
Esse primeiro contato é breve e Della resolve seguir seu caminho. Porém uma decepção amorosa a coloca perigosamente de volta aos seus fantasmas do passado do qual ela precisava tanto se afastar. Então um amigo de trabalho resolve socorrê-la e oferece apartamento e trabalho na cidade de Rosemary (isso mesmo, na mesma cidade do Woods e o tendo como patrão).
A porta da sala dele finalmente se abriu e pela expressão azeda em seu rosto me alertou de que aquela não seria uma conversa boa. Talvez eu fosse para Vegas antes do planejado.
O que Della não sabe é que o Woods é um milionário e depende de um casamento de conveniência arranjado por sua família para que possa assumir toda sua herança e o cargo que sempre sonhou. Complicações a parte, o romance é envolvente e agradável. Woods faz o tipo galã americano, romântico, apaixonado, educado e lindo.

O livro é pequeno e rápido de ler. São apenas 208 páginas com diagramação agradável. Narrado em primeira pessoa e com capítulos alternando entre o Woods e a Della, a leitura flui facilmente. Confesso que torci para Della ficar com outra pessoa, um personagem interessante do enredo, mas que aparece muito pouco. Mas no geral eu sou do contra mesmo.

Que cenas de sexo picante em qualquer lugar é típico do gênero New Adult, todos sabemos, tem uns mais intensos e detalhados outros mais resumidos. Mas não me senti muito confortável ao ler essas descrições exageradas e extensas sobre o ato sexual, me colocava sempre no lugar de um espectador, tipo vouyer. E como sempre crio um laço de amizade com os personagens, a sensação é de invadir a intimidade nesses momentos. Estranho isso, não é? : )
- Concordo. Não é justo não poder fazer as próprias escolhas na vida. Só quero ter certeza de que não sou o único motivo pelo qual você tomou essa decisão. Porque, sinceramente, você vai descobrir logo que eu sou muito mais maluca do que você pode imaginar.
Então, como não curto a apelação do erotismo nesses livros, acabo me voltando para a trama secundária envolvendo os personagens. E sabe que eu gostei do clima de suspense do passado da Della Sloane. Achei que foi tratado de forma sensível e sempre deixando lacunas para aumentar a curiosidade e prendendo o foco do leitor. Acredito que foi um artifício legal que a autora encontrou para tornar a personagem interessante. Ahhh e claro o final inesperado, como que para reforçar a sequência da trilogia.

Agora a notícia triste, pelo menos para mim. Fiquei tão louca para terminar a leitura que levava o livro para todo lugar. Num desses passeios deixei-o cair, ao abrir a porta do carro, no estacionamento do mercado. Pensa como fiquei quando não encontrava em canto nenhum? Acabei terminando a leitura no Kindle mesmo. : (
Aviso à quem encontrou... Divirta-se... ; )

Recomendo a leitura para o publico adulto e que se diverte com os romances um tanto utópicos do gênero erótico.

Abbi Glines

Jádia Santos

Credenciamento do blogueiro! Bienal aqui vou eu


E o Falando Sobre Livros vai estar na Bienal de SP esse ano!

Estarei lá diretamente com meu novo celular para postar fotos ao vivo e contar como esta sendo tudinho para a galera =)

Fiquem de olho no Instagram:  nita_marques  e no twitter@paposobrelivros

Tudo graças a vocês leitores nota mil e minha amada  equipe (Vitor, Andréia, Jádia) que esta sempre  me ajudando na manutenção do blog. ^^







J. K. Rowling pretende escrever mais sete livros sob pseudônimo de Robert Galbraith



Durante evento literário, escritora falou que o detetive Cormoran Strike, criado sob a alcunha de Robert Galbraith, vai ter série mais longa do que "Harry Potter"


J. K. Rowling falou, durante evento literário na Inglaterra, que planeja fazer as histórias do detetive Cormoran Strike superararem a sua saga "Harry Potter", pelo menos em número de livros lançados. A artista pretende escrever, sob o pseudônimo de Robert Galbraith, mais sete livros sobre o personagem, cujo segundo volume, "The Silkworm", chegou às prateleiras em junho.

"É diferente de Harry Potter, onde havia uma história abrangente, um começo e fim, você está falando sobre histórias discretas", comentou durante o The Theakstons Old Peculier Crime Writing Festival. "Assim, enquanto um detetive vive, você pode mantê-lo dando-lhe casos".

E ela não tem medo de faltar criatividade, tanto que declarou que está escrevendo o terceiro livro e já tem planos para o próximo. A escritora adiantou que a nova parte da trajetória do investigador será diferente do que foi visto até então e trará descobertas "sobre os rumos das pessoas depois que elas deixam a carreira militar".


"The Silkworm" está na lista dos livros mais vendidos do "Sunday Times" desde o seu lançamento. "Queria provar para mim mesma que eu poderia ter um livro publicado sobre o mérito do livro", explicou, sobre a opção de udar um pseudônimo. " Um amigo meu disse: ‘por que você precisa de validação?’, E eu acho que, possivelmente, você precisa ser um escritor para entender o porquê".




Fonte: Globo.com





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...